No Setembro Amarelo, Hospital Regional de Marabá promove ações de prevenção ao suicídio

A programação voltada à valorização da vida será realizada até o final do mês

No próximo sábado (10) é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Em alusão à data, o Hospital Regional do Sudeste do Pará “Dr. Geraldo Veloso” (HRSP) iniciou nesta quinta-feira (08), em Marabá, a programação das ações de sensibilização para o Setembro Amarelo, mês que marca a campanha nacional de prevenção às causas que levam ao suicídio.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 700 mil pessoas se suicidam anualmente no planeta. O Brasil registra, em média, 14 mil suicídios por ano.

Voltada para pacientes e funcionários, a campanha do HRSP começou com palestras de prevenção, ações lúdicas, distribuição de material informativo e orientações sobre o tema. Carolina Costa, psicóloga do Hospital Regional, destaca a necessidade de romper mitos e tabus para falar abertamente sobre o assunto, além de discutir mecanismos de educação e prevenção que possam reduzir os índices de suicídio.

“O Setembro Amarelo valoriza a vida, estimula o diálogo e a construção de relações de solidariedade, sem julgamentos. A população precisa entender que a atenção à saúde mental é tão importante quanto à física”, destaca Carolina Costa, informando que a programação do Setembro Amarelo será realizada até o final do mês na unidade.

Atenção aos sinais – Ana Thais, psicóloga do Hospital Regional do Sudeste, explica que o pensamento suicida nem sempre é visível, mas há alguns sinais que podem servir de alerta. “O isolamento social, a falta de motivação e apatia, mudanças drásticas de humor e comportamento, alarmes verbais, consumo exagerado de bebidas alcoólicas, medicamentos e outras substâncias psicoativas, são alguns dos sinais de pessoas com comportamento suicidas”, reitera a psicóloga.

A profissional ressalta ainda que, caso a pessoa identifique estes sinais em alguém próximo, busque um momento apropriado, em um lugar calmo, para falar sobre o assunto, ouvir e oferecer apoio. “É importante incentivar a pessoa a procurar ajuda de profissionais especializados. Se você achar que ela está em perigo imediato, não a deixe sozinha e acione os serviços de saúde de emergência. Essas e outras medidas vão contribuir para salvar vidas”, enfatiza Ana Thais.

O Hospital Regional do Sudeste do Pará, que integra a rede pública estadual de saúde, é referência para mais de 1 milhão de pessoas em 22 municípios da região Sudeste, prestando atendimento 100% pelo SUS (Sistema Único de Saúde).