Hospital Regional de Marabá alerta sobre os riscos de traumas da face e como prevenir

Nos últimos três anos, a unidade realizou mais de 400 cirurgias de alta complexidade na região do nariz, mandíbula e maxilar

O traumatismo mata anualmente no mundo cerca de 5,8 milhões de pessoas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Dentre os principais tipos de trauma, está o facial, que engloba fraturas na região do nariz, mandíbula e maxilar.

Ana Paula Marinho Lopes, cirurgiã buco-maxilo do Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá (PA), alerta para os perigos dos traumas faciais, que são provocados principalmente por agressões físicas e acidentes de trânsito, doméstico, esportivo e de trabalho.

Os traumas na face são diagnosticados pelo profissional buco-maxilo, especialidade da odontologia que realiza cirurgias e tratamento das doenças, lesões, deformidades e anomalias congênitas/adquiridas, da cavidade bucal, face e pescoço.

“Embora as estruturas faciais sejam resistentes, quando elas são atingidas por grandes impactos, sofrem danos graves que provocam sérias lesões, que podem comprometer a mastigação, respiração e principalmente, a estética facial, que é o nosso cartão de visita”, explica Ana Paula.

A profissional ressalta que esse tipo de traumatismo afeta estruturas importantes, que prejudicam a funcionalidade e a dinâmica facial do indivíduo. Portanto, quanto mais rápido for o atendimento, melhores serão as chances de sobreviver, e menor a de ter alguma sequela.

Há oito dias, Antonio Lima, de 52 anos, está internado no HRSP, para se recuperar após uma queda de moto no município de Itupiranga, 48 km de distância de Marabá. Durante a internação no Regional, ele foi submetido a uma cirurgia na mandíbula e segue em acompanhamento com a equipe de buco-maxilo.

“Sofri um acidente grave por descuido e imprudência, fui de moto na casa de um amigo e como era muito próximo, resolvi não usar capacete. No trajeto tive um problema mecânico e cai com o rosto no chão”, lembra Antonio.

“Use sempre o capacete, mesmo que seja para ir até a esquina. Aprendi da maneira mais dolorosa “, alerta o paciente.

Para ajudar na prevenção, a especialista do Hospital Regional do Sudeste do Pará, destaca algumas dicas básicas para prevenir os traumas faciais:
– No trânsito, o motociclista deve usar sempre um capacete de boa qualidade, que cubra toda a face e esteja bem ajustado na cabeça;
– Nos carros, todos os integrantes precisam utilizar o cinto de segurança, mesmo no banco traseiro;
– Na prática esportiva e nas atividades laborais, o ideal é utilizar equipamentos de segurança, como capacete e protetor bucal;
– Pedestres precisam ter cuidado ao circular em vias públicas e respeitar as sinalizações;
– Em casa, é importante manter os ambientes bem iluminados e evitar objetos que possam ocasionar quedas, como móveis baixos ou tapetes soltos;
– Sempre que possível, sinalizar portas de vidro transparentes, para evitar choques acidentais;
– Nas escadas, é necessário colocar corrimão nos dois lados e, se possível, sinalizar os degraus com tiras antiderrapantes.

Nos últimos três anos, o Hospital Regional do Sudeste do Pará realizou 438 cirurgias de alta complexidade e mais de 1,8 mil atendimentos ambulatoriais na especialidade de buco-maxilo. A unidade, que pertence ao Governo do Pará, sendo gerenciada pela entidade filantrópica Pró-Saúde, atua como referência para mais de um milhão de pessoas de 22 municípios da região.