O treinamento que pode salvar vidas

No ambiente hospitalar, o treinamento contínuo de profissionais é uma das principais ferramentas para aperfeiçoar técnicas que podem salvar vidas. Na última sexta-feira, 25/10, o Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, realizou o Treinamento de Reanimação Cardiopulmonar (RCP), voltado para equipe assistencial da unidade.

O objetivo do treinamento, que capacitou profissionais e até usuários do HRSP, busca preparar os participantes na atuação frente a uma vítima em parada cardiorrespiratória. O Hospital é uma unidade do Governo do Estado do Pará, gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar.

Totalmente prático, o curso foi ministrado pelo médico cardiologista Juan Felipe Castillo Schrul, e utilizou manequins de ressuscitação, onde foram abordados as técnicas e habilidades necessárias, como reconhecer se a vítima está consciente e se respira de forma eficaz; saber quando e como pedir ajuda; e executar manobras de reanimação.

“No curso foi apresentado diretrizes e técnicas para garantir a segurança dos nossos usuários. A qualidade nas manobras de reanimação, se bem-sucedidas, aumentam consideravelmente o índice de sobrevivência pós parada cardiorrespiratória”, explica o médico.

A parada cardiorrespiratória é a causa mais grave de perda de consciência, levando à interrupção do fluxo sanguíneo cerebral e, caso as manobras de ressuscitação não sejam iniciadas de maneira imediata e correta, as chances de morte da vítima crescem consideravelmente. Segundo informações da campanha “Coração Alerta”, da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista (SBHCI), em 2018 foram registradas, aproximadamente 400 mil mortes no país. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 17,5 milhões de pessoas falecem anualmente no mundo em consequência de doenças cardíacas.

Para a Supervisora de Enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulta, América Barros do HRSP, o treinamento é realizado periodicamente na unidade, e contribui para atualização dos profissionais que atuam em diversos setores. “Vivenciar na prática esse tipo de situação, aprendendo os procedimentos corretos de reanimação, é fundamental para um bom atendimento do usuário. Nossa equipe está preparada”, explicou.

Sobre a Unidade

Referência em atendimento de média e alta complexidades para 22 municípios paraenses, o Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP) tem 115 leitos, sendo 77 de Unidades de Internação e 38 de Unidades de Terapia Intensiva. Possui perfil cirúrgico e habilitação em Traumato-ortopedia pelo Ministério da Saúde, oferecendo atendimento gratuito nas especialidades de Cardiologia, Cirurgia Buco-maxilo-facial, Cirurgia Plástica Reparadora, Cirurgia Pediátrica, Cirurgia Geral, Cirurgia Vascular, Clínica Médica, Fisioterapia, Infectologia, Medicina Intensiva adulto, pediátrica e neonatal, Nutrição, Obstetrícia de Alto Risco, Oftalmologia, Otorrinolaringologia, Urologia, Neurocirurgia, Terapia Ocupacional, Traumato-ortopedia, Nefrologia e Anestesiologia.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente, realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 22 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.