A importância dos cuidados com a saúde do bebê em sua primeira hora de vida

Os cuidados com o bebê na primeira hora após o nascimento são fundamentais para a sua saúde ao longo da vida. Também é assim com a amamentação. A primeira mamada na “hora de ouro”, como é chamada a primeira hora de vida do recém-nascido, estimula a descida do leite, o vínculo entre mãe e filho e funciona como uma vacina natural para prevenir possíveis infecções. Em Marabá (PA), no Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), administrado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, a prática já é adotada pela equipe, contribuindo para a redução da mortalidade infantil e o aumento do índice de aleitamento materno exclusivo até os seis meses na região.

Foi assim que aconteceu com a dona de casa Eliana Mesquita, de 25 anos. Mãe de segunda viagem, ela se emocionou ao carregar no colo a pequena Mikaelly, que tentou a primeira mamada antes mesmo de sair do Centro Cirúrgico. “Eu já achava a amamentação importante e, depois dessa orientação, acho mais ainda. Quando a gente recebe a informação correta e fica tudo bem explicado, o nosso cuidado com o bebê, e até com a gente mesmo, é melhor e maior”, contou a paciente.

De acordo com a enfermeira Michele Trindade, a implantação da “hora de ouro” na Unidade reduz o tempo de internação do recém-nascido e contribui para o seu desenvolvimento neuromotor. “A população carece de conhecimento sobre o assunto. Tanto é que, às vezes, a amamentação não acontece por questões culturais. Então esse é um dos trabalhos feitos na Unidade: amparar as mães e explicar tudo o que envolve esse processo. O que temos percebido é que os bebês internados no Hospital, que passaram a receber o leite da mãe, têm alta hospitalar mais cedo porque o sistema imunológico melhora bastante”, explica a colaboradora e presidente da Comissão de Aleitamento Materno (CAM).

Junto com a CAM, profissionais de outras áreas atuam para tornar ainda mais especiais os primeiros momentos dos bebês nascidos no Hospital Regional de Marabá. Psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, enfermeiros, técnicos de Enfermagem e médicos, dentre outros, participam do projeto de humanização do parto, que garante a presença de um familiar ou amigo da gestante no Centro Cirúrgico e, ainda, o registro fotográfico do nascimento.

Sensibilização além do parto

Além de orientar as parturientes sobre os benefícios do aleitamento materno, a Instituição também incentiva as acompanhantes de recém-nascidos prematuros e de baixo peso, atendidos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do Hospital, a oferecerem o leite materno cru a partir da ordenha, deixando de lado fórmulas que podem ser prejudiciais à saúde do bebê, mas que ainda são muito comuns na dieta infantil.

“O leite materno é riquíssimo em anticorpos, proteínas, vitaminas e calorias, ou seja, tem tudo o que o bebê precisa para se desenvolver. Ele deve ser ofertado à criança ainda que a mãe não possa dar diretamente no peito, por conta do baixo peso do bebê, que é o caso da maioria das crianças internadas na UTI Neonatal”, contou a enfermeira Tasmânia Oliveira.

Benefícios do leite materno

Até os seis meses de vida, o leite materno deve ser o único alimento ofertado às crianças. Ele é suficiente para protegê-las contra infecções, otites e doenças respiratórias. Além disso, é limpo e está sempre pronto e quentinho. A partir do sétimo mês, a alimentação do bebê deve ser complementada com outros alimentos. O Ministério da Saúde recomenda que a amamentação ocorra até os dois anos de idade ou mais.