Sistematização da Assistência de Enfermagem é tema de capacitação no Hospital Regional de Marabá

Enfermeiros do Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP) – Dr. Geraldo Veloso participaram da capacitação sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), regulamentada pelo Conselho Federal de Enfermagem para ser implementada em todo o País. Entre as ações está a ampliação da humanização no atendimento e segurança do paciente. O treinamento deve impactar positivamente o atendimento aos cerca de 300 pacientes que são internados por mês no hospital gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar.

O hospital é referência em atendimento de média e alta complexidades para 22 municípios paraenses. Nas Unidades de Internação e de Terapia Intensiva, os pacientes são assistidos por profissionais de diversas especialidades, mas é com os enfermeiros e os técnicos de Enfermagem que eles passam a maior parte do tempo durante a internação.

Com a SAE o objetivo é facilitar a tomada de decisão do profissional quanto às prioridades, gestão do tempo e delegação de tarefas na assistência.
Durante os quatro dias de aulas teóricas e práticas, os 46 enfermeiros do hospital debateram a gestão do cuidado, que vai além da classificação de riscos e do aprazamento da prescrição médica, tarefas privativas da categoria.

“O curso foi ministrado pelo autor do livro ‘SAE Descomplicado’, Marcelo Chanes, que pontuou a importância de olhar o paciente de forma holística, observando todas as suas necessidades humanas, não apenas o quadro clínico diretamente ligado ao seu problema de saúde. Essa avaliação deve ser diária, com a elaboração de um plano de cuidado, execução das ações traçadas e avaliação dos resultados. O processo faz com que o profissional alcance a sua meta, que é a recuperação do usuário, o que pode, inclusive, diminuir o seu tempo de internação”, explicou a enfermeira do Núcleo de Educação Permanente do HRSP, Michele Trindade.

Para Keury Costa, o curso aprofundou o conhecimento da equipe sobre o tema. “Esse treinamento vem para aprimorar a nossa prática profissional, no sentido de que documenta e organiza as nossas ações durante o plantão. E o principal beneficiado desse processo é o paciente, que tem a sua recuperação agilizada à medida que avaliamos diariamente o resultado das ações prescritas para ele”, afirmou a colaboradora da UTI Neonatal.

A enfermeira Helayni Hartuique também comentou sobre a iniciativa. “Durante o curso, vimos a aplicabilidade da Sistematização da Assistência de Enfermagem na rotina do Hospital, baseando-se em casos reais do nosso atendimento e considerando o conhecimento de cada profissional que atua na Unidade, dos mais antigos aos mais novos”, comentou a enfermeira.

Entenda a SAE
A Resolução COFEN nº 358/2009 descreve a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem. Essa gestão do cuidar organiza o trabalho profissional quanto ao método, pessoal e instrumentos, tornando possível a operacionalização do processo de Enfermagem.

Dessa forma, a SAE é a forma pela qual o enfermeiro compreende a pessoa complementar e tem base de raciocínio para elaborar um plano de intervenções que alcance resultados, ou seja, é um sistema para coletar dados, correlacioná-los e, então, decidir o que será feito para que o paciente melhore ou não piore.
O processo de Enfermagem é organizado em cinco etapas (coleta de dados, diagnósticos de Enfermagem, planejamento de Enfermagem, implementação de Enfermagem e avaliação), sendo a dinâmica das ações sistematizadas e interrelacionadas.

Nesta perspectiva, a utilização da SAE proporciona assistência individualizada e maior visibilidade de suas ações. Para que o enfermeiro possa tomar as decisões, precisa se basear em conhecimentos científicos e intensificar o pensamento crítico e o raciocínio clínico. Conhecimentos e procedimentos teoricamente organizados, sistematizados e sempre reformulados se constituem em base segura para a ação eficiente. A aplicação de uma assistência de Enfermagem sistematizada é a única possibilidade de o enfermeiro atingir sua autonomia profissional e constitui a essência de sua prática profissional.