Referência em segurança no SUS, Hospital Regional de Marabá reduz casos de infecção

Unidade está há um ano sem casos de infecção por cateter venoso, procedimento utilizado em tratamento de pacientes

A infecção em ambientes hospitalares no Brasil atinge 14% das internações. Os dados são foram divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Há um ano sem Infecções causadas por Cateter Venoso Central (IPCSL), o Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá (PA),vem se tornando referência do projeto “Saúde em Nossas Mãos – Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”, desenvolvido pelo Sistema Único de Saúde (SUS), do Ministério da Saúde.

A unidade, gerenciada pela Pró-Saúde, uma das maiores instituições na gestão de hospitais do País, integra o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional (PROADI), que selecionou o Regional de Marabá para fortalecer e contribuir com a melhoria das práticas de segurança do paciente na região.

No hospital, a iniciativa conta com a parceria do “Hospital Moinhos de Vento”, do Rio Grande do Sul, que em recente visita a unidade pode conhecer os cases da instituição que foram destaquesna 6º edição da Sessão de Aprendizagem Presencial (SAP), realizada no final de 2019, em São Paulo, pelo Ministério da Saúde.

Para a enfermeira Daniela Jesus, representante do Hospital Moinhos de Vento, o Regional do Sudeste do Pará trouxe uma excelência na segurança do paciente ao reduzir os níveis de Infecções Relacionados à Assistência à Saúde (IRAS), que representam um alto grau de mortalidade e custos hospitalares.

“O Regional reduziu em 100% as infecções de IPCSL, reduziu também em 55% as infecções nas pneumonias associadas a ventilação mecânica (PAV), dentre outros benefícios que diagnosticamos, que vem contribuindo para a segurança do paciente na unidade”, ressaltou.

De acordo com Diretora Assistência do Regional, Maria do Carmo, o sucesso dos resultados no projeto do Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde(Proadi-SUS), só foi possível devido ao engajamento da equipe assistencial da unidade, que vem se dedicando em implantar ferramentas de gestão que irão contribuir para a queda drástica das infecções.

“Quero agradecer a dedicação de toda equipe assistencial que com a redução das IRAS, contribuíram para salvar inúmeras vidas. Agora o nosso desafio e sustentar esses índices e melhorar os que ainda precisam de uma atenção especial”, concluiu.

OProadi-SUS é uma ação do Ministério da Saúde, dirigida ao fortalecimento do SUS. É realizado em parceria com cinco hospitais de excelência, com qualidade reconhecida do país, que através da transferência de sua expertise realizam projetos de educação, pesquisa, avaliação de tecnologias, gestão e assistência especializada, voltados ao fortalecimento e à qualificação de 119 hospitais públicos da federação.

Desde 2018 até o momento, de acordo com dados do MS o programa já salvou mais de 1.400 vidas e trouxe uma economia de R$ 160 milhões ao SUS.

O Hospital Regional do Sudeste do Pará é referência em atendimento de média e alta complexidades para 22 municípios paraenses.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.